Proposta do Plano de Manejo da Floresta Estadual José Zago é apresentada em Trajano de Moraes


Oficializada em 13 de janeiro de 2016 através da publicação do Decreto 45.543, a Floresta Estadual (FLOE) José Zago encaminha para aprovação do seu Plano de Manejo.


No dia 04 de abril de 2017, o Instituto Estadual do Ambiente - Inea juntamente com o Conselho Consultivo da FLOE, constituído por órgãos públicos e representantes da sociedade civil, apresentou a proposta do Plano de Manejo da primeira Floresta Estadual do Rio de Janeiro.


Com a missão de “ser um espaço de referência no desenvolvimento de tecnologias de recuperação e manejo florestal de pequena escala no Estado do Rio de Janeiro”, a unidade de conservação, de 29 hectares, pretende promover e incentivar a pesquisa florestal e o manejo de recursos florestais de uso múltiplos e sustentáveis, consolidar-se como área de lazer local e integrar ações de educação ambiental com parceiros locais.


Entre as propostas de prioridade da Gestão podemos citar a melhoria da qualidade da água na represa, a gestão do viveiro de mudas, o incentivo à pesquisa científica e a replicação de experiências.


Atualmente, a produção média do viveiro de mudas da unidade fica em torno de 100 mil mudas por ano. Dentre as espécies mais produzidas estão o Angico-vermelho, Angico-branco, Tarumã, Aroeira, Ipê-amarelo e Ipê-roxo, Jacarandá, Jequitibá, Quaresmeira, Palmito Juçara, Cambucá e Grumixama. Dentro dos limites da unidade existem cerca de 60 espécies florestais, distribuídas entre 23 famílias botânicas. A denominação da Floresta Estadual homenageia o ex-chefe do Horto Florestal, atualmente aposentado. José Zago começou a trabalhar no horto em 1977, assumiu a chefia em 1988 e permaneceu no cargo até se aposentar, em 2008. Durante sua gestão, além de um importante trabalho de reflorestamento, também foram realizadas várias obras de melhoria que transformaram o horto num dos mais produtivos do Estado.